Núcleo da UnB divulga pesquisas na área da História da Tradução

Núcleo da UnB divulga pesquisas na área da História da Tradução

Por Germana Henriques Pereira de Sousa

(germanahp@gmail.com)

O SEMINÁRIO DE HISTÓRIA DA TRADUÇÃO E DA TRADUÇÃO LITERÁRIA (SHT), realizado anualmente desde 2012, vincula-se ao Projeto de Pesquisa e Núcleo de Estudos em Tradução Literária e História da Tradução- NETLHIT. Tem por objeto estudar a história da tradução literária de modo intra e interdisciplinar e na relação entre Literatura Nacional e Literatura Traduzida, historiografia da tradução e da literatura brasileira, levantar e reunir dados sobre a história da tradução no Brasil, não apenas de textos literários, mas de modo geral. O NETLHIT pretende ser um centro divulgador de pesquisas na área e um fórum de discussão sobre a tradução literária, como processo e como produto, e a história da tradução. O SHT pretende ser esse lugar privilegiado de debates acerca do tema.

Em seu processo formativo, a literatura brasileira recebeu as influências dos movimentos estéticos europeus, veiculadas, em parte, pelas traduções. A tradução ocupou, assim, e talvez ainda  ocupe, uma posição central na formação do sistema literário brasileiro. Isto se vê na relação que os escritores brasileiros mantêm com a tradução, sendo a grande maioria deles tradutores e críticos, e no modo como o Brasil traduziu os clássicos da literatura universal.

Verifica-se uma relação de confluência entre sistema literário de partida e de chegada, uma vez que escritores pertencentes ao cânone nacional (re)traduzem obras literárias capitais para o cânone ocidental, conforme coleções Nobel e Biblioteca dos Séculos da Editora do Globo de Porto Alegre e a coleção Caminhos cruzados, da José Olympio, sem falar de outras coleções e editoras igualmente importantes. No momento em que a (re)tradução é constantemente discutida e revisitada, vale unir esforços no sentido de trazer à tona o ambiente de pesquisa brasileiro no campo da história da tradução para melhor compreendermos o atual momento da edição de livros no Brasil, espécie de nova “época de ouro” para o mercado da tradução.

Desde os anos 70, há interesse em se estudar questões que dizem respeito ao estatuto do tradutor e às relações entre a obra e o sistema literário que a originou e o sistema literário que a recebe. A tradução e seu estudo transpõem as fronteiras da Linguística para abranger um universo mais amplo que envolve a produção das obras. Susan Bassnett (2003) afirma, de modo polêmico, que os Estudos da Tradução deixaram hoje de ser relegados “a uma subcategoria da Literatura Comparada” e que esta deveria ser considerada “um ramo dessa disciplina mais abrangente que é a dos Estudos da Tradução”. As relações entre língua, cultura, literatura e tradução vêm sendo discutidas por várias gerações de pensadores, uma vez que o enfrentamento das diversas culturas literárias e dos diversos sistemas literários se dá de forma muito viva na tradução, pois nela forma e conteúdo significam de modo idêntico.

Estudar a relação entre Tradução e sistema literário, assim como a História da tradução brasileira, justifica-se pela necessidade hoje premente de uma cartografia da tradução no Brasil, no momento em que a Tradução busca colocar-se como disciplina e área de estudo autônoma. Ressalte-se, ainda, no âmbito local e regional, que o Curso de Letras-Tradução da UnB, implementado em 1979, criou em 2011 o Mestrado em Estudos da Tradução – POSTRAD, o segundo do país que coloca os Estudos da Tradução como área de pesquisa e concentração, além de ter criado no âmbito do REUNI, em 2009, o Bacharelado em Letras-Tradução Espanhol.

Passados mais de trinta anos da mudança de paradigma nos estudos da Tradução, que passou a considerar os trânsitos culturais no processo tradutório, e tendo a teoria/crítica da tradução desenvolvida no Brasil alcançado destaque no cenário internacional, com publicações importantes em periódicos como Meta, TTR, Target, entre outros, além do intercâmbio entre professores/pesquisadores brasileiros e estrangeiros, faz-se necessário hoje realizar-se um estado da arte da história da tradução no Brasil, de forma a estabelecer-se uma cartografia da pesquisa na área.

Fundamenta-se e justifica-se no contexto acima apresentado, o convite que dirigimos aos colegas pesquisadores brasileiros e estrangeiros, que trabalham com história da tradução no Brasil, historiografia da literatura na relação com a tradução, história dos tradutores, história do livro e da leitura, tradução do pensamento crítico, filosófico e científico no Brasil, literatura comparada, história dos intelectuais, editores, jornalistas, críticos e livreiros que criam o ambiente da leitura e da circulação das ideias no âmbito nacional. Endereçamos este convite também aos pesquisadores e estudantes interessados em crítica literária na confluência com a crítica de tradução, teoria da tradução e tradução do texto poético.

NÚCLEO DE ESTUDOS EM HISTÓRIA DA TRADUÇÃO TRADUÇÃO LITERÁRIA E – NEHTlit

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DA TRADUÇÃO – POSTRAD

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LITERATURA– POSLIT

DEPARTAMENTO DE LÍGUAS ESTRANGEIRAS E TRADUÇÃO – LET

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – UnB

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *