José Lino Grünewald

José Lino Grünewald (1931-2000) era carioca. Formou-se em Direito e trabalhou como procurador da Superintendência Nacional da Marinha Mercante. Integrou o movimento da poesia concreta, sendo que em 1956 começou a colaborar na a página Poesia-Experiência, do Jornal do Brasil, com poemas e artigos sobre cinema e literatura. A partir de 1960, junto com os poetas da Noigandres, ocupou a página semanal Invenção, do jornal Correio Paulistano, com poemas concretos e traduções de poetas estrangeiros que o influenciaram, como Pound. Em 1962, tornou-se editor de política do jornal Correio da Manhã. Nesse ano, o grupo dos poetas concretos lançou a revista Invenção, desdobramento da página publicada no Correio Paulistano nos anos anteriores. Além de poesia, os interesses de Grünewald eram o cinema, a arte e a música popular. Na crítica, sofreu influência de Walter Benjamin e Maurice Merleau-Ponty. Seus poemas estão em Escreviver (1987). Organizou várias antologias de poesia em língua portuguesa. Traduziu e organizou as antologias Poetas franceses do século XIX (Nova Fronteira, 1991); Grandes Poetas da Língua Inglesa do Século XIX (Nova Fronteira, 1988); publicou Poemas, de Mallarmé (Nova Fronteira, 1984), e recebeu por sua tradução de Os Cantos, de Ezra Pound (Nova Fronteira, 1986), o Prêmio Jabuti de tradução de 1987. Juntamente com os irmãos Campos, Pignatari e Faustino, assina a supracitada tradução de Antologia poética de Ezra Pound (Serviço de Documentação, MEC, 1968).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *