Glauco Mattoso

Glauco Mattoso (1951), pseudônimo de Pedro José Ferreira da Silva, é paulistano. Seu nome artístico brinca com a doença que o levou a perder a visão (o glaucoma). Faz ficção erótica e poesia obscena. Começou a publicar poemas em coletâneas em 1975. Fez parte do grupo de poetas marginais dos anos 1970.  Na década de 1980, criou o fanzine anarco-poético “Jornal Dobrabil”. Ao perder a visão em meados da década de 1990, deixou de lado os quadrinhos para dedicar-se ao soneto clássico, mas de temática irreverente e erótica.  Também é letrista. Traduziu o cubano Severo Sarduy na antologia de poesia neobarroca da América Latina Jardim dos camaleões (Iluminuras, 2004). Por sua tradução de Fervor de Buenos Aires, incluída em Obras completas (Globo, 1998), feita em conjunto com Jorge Schwartz, ganhou o prêmio Jabuti de 1999.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *