Geir Campos

Geir Campos

Geir Campos (1924-1999) era capixaba. Foi poeta, contista, dramaturgo e tradutor. Estreou na poesia com Rosa dos rumos (1950) e publicou outras quatorze obras nesse gênero. Escreveu também quinze peças teatrais. Foi igualmente tradutor de teatro e teorizou sobre essa prática em O problema da tradução no teatro brasileiro (1978) e em Tradução e ruído na comunicação teatral (1981). Além disso, traduziu romances e poesia, principalmente do alemão e do inglês. Foi membro fundador do Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro e da Associação Brasileira de Tradutores, da qual foi presidente. Escreveu também o livrinho de bolso Como fazer tradução (Vozes, 1987). Aparece no levantamento de tradução poética após 1960 com: Andares (Nova Fronteira, 1961), de Hermann Hesse; Folhas de relva (Civilização Brasileira, 1964) e Folhas das Folhas de relva (Brasiliense, 1984), de Walt Whitman, Poemas e canções (Civilização Brasileira, 1966), de Bertolt Brecht, O livro de horas (Civilização Brasileira, 1993) e Poemas e cartas a um jovem poeta (Tecnoprint, 1967), ambos de Rilke; Cantos do eu coração (Record, 1995), de Daisaku Ikeda (tradução indireta via versão do inglês de Burton Watson), e com as antologias Poesia alemã (Tecnoprint, 1960) e Haicais: poesia do Japão (Ediouro, 1988), também em tradução indireta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *