Floriano Martins

Floriano Martins (1957) é cearense. Atua como poeta, artista plástico, editor, ensaísta e tradutor Foi editor do jornal Resto do Mundo (1988/89) e da revista Xilo (1999). Em 2001, criou o projeto Banda Hispânica, banco de dados virtual sobre poesia de língua espanhola, integrado ao Jornal de Poesia (www.jornaldepoesia.jor.br). É considerado um poeta surrealista. Escreve ensaios sobre música, artes plásticas e literatura para publicações estrangeiras da Europa e América Latina e brasileiras, como o Rascunho e Poesia Sempre. Organizou para as revistas mexicanas Blanco Móvil e Alforja duas edições especiais dedicadas à literatura brasileira: “Narradores y poetas de Brasil” (1998) e “La poesía brasileña bajo el espejo de la contemporaneidad” (2001), bem como as edições especiais “Poetas y narradores portugueses” (Blanco Móvil, México, 2003) e “Surrealismo” (Atalaia Intermundos, Lisboa, 2003). Participou dos seguintes volumes coletivos: Camorra (volume monográfico sobre Harold Alvarado Tenorio, Ediciones La Rosa Roja, Bogotá, 1990), Focus on Ludwig Zeller, poet and artist (Mosaic Press, Oakville-New York-London, 1991), Adios al siglo XX (Edição dedicada à poesia de Eugenio Montejo, Separata da revista Palimpsesto, Sevilla, 1992), O olho reverso: 7 poemas e um falso hai-kai (Thesaurus, 1993), Tempo e antítese: a poesia de Pedro Henrique Saraiva Leão (Editora Oficina, 1997) e Surrealismo e Novo Mundo (Ensaios sobre Surrealismo na América Latina, org. Robert Ponge, Editora da UFRGS, 1999). Dirigiu, juntamente com Claudio Willer, a Agulha – Revista de Cultura. Traduziu Expírito multiversos, de Rubén Mejía (Escrituras, 2007), poeta mexicano contemporâneo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *