Cecília Meireles

Cecília Meireles

Cecília Meireles (1901-1964) foi professora, pedagoga, jornalista e, sobretudo, poeta. Estreou com Espectros (1919), uma coleção de sonetos simbolistas. Entre 1925 e 1939, trabalhou como professora, período em que publicou livros infantis e fundou, em 1934, a Biblioteca Infantil do Rio de Janeiro, primeira desse tipo no Brasil. Ensinou literatura brasileira em Austin (EUA) e, em 1936, foi nomeada professora na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Por Viagem (1939), recebeu o prêmio de poesia da Academia Brasileira de Letras. Publicou ainda: Nunca mais… e Poema dos Poemas (1923);  Criança meu amor (1924); Baladas para El-Rei (1925); Vaga Música (1942), Mar Absoluto e Outros Poemas (1945), Retrato Natural (1949), Romanceiro da Inconfidência (1953), Metal Rosicler (1960), Poemas Escritos na Índia (1962), Solombra (1963) e Ou Isto ou Aquilo (temática infantil, 1964). Conhecia inglês, francês, italiano, russo, hebraico e dialetos do grupo indo-iraniano. Traduziu obras relevantes da literatura mundial, como Orlando, de Virginia Woolf, dramas de García Lorca e o romance Çaturanga, do indiano Tagore.  Traduziu ainda “A canção de amor e de morte do poeta-estandarte Cristóvão Rilke”, que está no volume Cartas a um jovem poeta (1953), assinada em conjunto com Paulo Rónai, que traduziu as cartas. Consta no levantamento de tradução poética entre 1960 e 2009 com sua tradução das antologias Poesia de Israel (Civilização Brasileira, 1972); Poesia e prosa de Israel (Departamento Cultural da Embaixada de Israel, 1968). Traduziu ainda os chineses Li Po e To Fu (Nova Fronteira, 1996), trabalho que permaneceu inédito e só foi publicado mais de trinta anos após a sua morte.

2 ideias sobre "Cecília Meireles"

  1. Olá! Apenas algumas observações para correção da biografia de Cecília Meireles no texto acima:

    Cecília ensinou literatura brasileira na Universidade de Austin – EUA e não em Portugal, neste país ela esteve em 1934, a convite do Serviço de Propaganda de Portugal para conferências e conhecer a família do primeiro marido, o artista plástico Fernando Correia Dias, devido ao enorme sucesso das conferências, ficou cerca de dois meses em Portugal, trazendo na bagagem a apresentação da nova literatura portuguesa, lançada no volume “Poetas Novos de Portugal”, e o primeiro livro de Fernando Pessoa: Mensagem, enviado ao hotel em que o casal estava hospedado em Lisboa, depois da frustração causada por Pessoa faltar a um encontro no restaurante “A brasileira do chiado”, e do e o fascínio da intelectualidade portuguesa, fascínio que permanece ainda hoje, visto os inúmeros estudos acerca de sua obra. Caso interessar, mantenho uma página no Facebook sobre a vida e obra de Cecília, chama-se “Cecília Meireles Ex-libris”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *