Apresentação

O site Poesia Traduzida no Brasil tem como objetivo principal disponibilizar para a comunidade científica e para a sociedade em geral um catálogo online da poesia traduzida publicada no Brasil. É resultado de projeto de pós-doutorado desenvolvido junto ao Programa de Pós-Graduação em Literatura (Póslit) da Universidade de Brasília (UnB) sob a supervisão da Profª. Drª. Germana Henriques Pereira e com o apoio do Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD) da Capes.

A meta inicial foi catalogar o maior número possível de traduções do gênero poesia, de todas as línguas e literaturas, que tenham sido publicadas em livro, em primeira edição, entre as décadas de 1960 e 2000. Nesta primeira versão, estão disponíveis aproximadamente seiscentas entradas bibliográficas de poesia traduzida. Em um futuro próximo, espera-se que a abrangência do catálogo possa ser expandida.

A partir deste catálogo de traduções, pretende-se facilitar e incentivar as pesquisas que objetivem estabelecer relações entre a poesia traduzida e a história literária e cultural do Brasil, bem como mapear as dinâmicas dos intercâmbios poético-culturais ao longo de um determinado período. Os dados possibilitam ainda um mapeamento da poesia traduzida no país (em termos de línguas, literaturas, autores, escolas literárias privilegiadas, locais de edição, tradutores etc.), assim como facilitam os estudos sobre a interferência da tradução no sistema literário e cultural brasileiro ao longo de meio século e evidenciam as relações de poetas e intelectuais brasileiros com a atividade da tradução.

O site também disponibiliza cerca de 120 perfis biográficos de tradutores de poesia que tiveram seus trabalhos publicados no Brasil no período estudado, além de sugestões de outros projetos relacionados à história da tradução, da cultura e do livro no Brasil.

A escassez de dados para pesquisa

É sabido que, atualmente, pesquisadores de variadas áreas – Literatura Comparada, Estudos da Tradução ou mesmo Estudos Culturais – encontram muitas dificuldades para ter acesso ao conjunto de títulos que circulou em forma de tradução no sistema literário brasileiro em cada período histórico. O fato a ser encarado é que não dispomos de dados sistematizados, confiáveis e, sobretudo, de fácil acesso para levar adiante as pesquisas. Faltam levantamentos exaustivos que rastreiem a tradição da tradução no Brasil. As bibliografias costumam ser específicas, restritas a traduções por autor, tema ou língua. São trabalhos importantes, sem dúvida, porém uma visão panorâmica, abarcando diversas línguas e literaturas ao longo de determinado período de tempo serve a outros tipos de apreciações.

Nesse sentido é que nossos esforços foram direcionados para elaborar este catálogo da poesia traduzida editada no país em cinco décadas. Quanto ao seu impacto, acreditamos que levantamentos bibliográficos nesses moldes possibilitarão análises como as seguintes:

  1. Acompanhar a diversificação de literaturas estrangeiras inseridas no sistema literário nacional década a década;
  2. Verificar o aumento ou o decréscimo do número de obras traduzidas por década;
  3. Identificar a constituição de cânones da poesia traduzida no Brasil;
  4. Estabelecer relações entre as traduções publicadas e os projetos poéticos em curso no sistema literário local em períodos determinados;
  5. Acompanhar o número de tradutores envolvidos com a tradução poética e/ou literária por década, bem como o seu engajamento ou não como poetas ou ficcionistas;
  6. Verificar o avanço ou retrocesso da presença da tradução em determinada língua e/ou literatura a cada década;
  7. Comparar a predominância ou a escassez de traduções de determinadas línguas e/ou literaturas;
  8. Verificar quais os poetas e/ou escolas mais traduzidos no Brasil em determinado recorte de tempo etc.
  9. Verificar a centralização ou descentralização geográfica da edição de poesia ao longo do tempo, estabelecendo relações históricas, econômicas e culturais.

A poesia traduzida no sistema literário brasileiro

Em artigo datado de 2011[i], o professor, poeta e dramaturgo Antonio Miranda lamentava a inexistência de um estudo sistemático do fenômeno editorial da poesia no Brasil contemporâneo, ressaltando que havia apenas testemunhos e opiniões esparsas em revistas literárias impressas ou eletrônicas, importantes, sem dúvida, mas de caráter impressionista. Para ele, a poesia no Brasil abarcaria “tanto a poesia contemporânea quanto a reedição de autores nacionais e estrangeiros clássicos e consagrados, também as novas produções literárias do gênero poético que entram no mercado editorial e livreiro, ou eu circulam de forma alternativa ou até clandestina pelo território nacional, fora de um controle bibliográfico sistêmico” (MIRANDA, 2011, p.47).

Mesmo que de forma “impressionista”, como diz Miranda, vários críticos manifestaram a percepção de que a poesia configura, pelo menos desde a década de 1980, um sistema muito ativo no interior do sistema literário brasileiro. Alfredo Bosi, no capítulo “Tendências Contemporâneas” da História Concisa da Literatura Brasileira, trata da poesia traduzida e reconhece que “em um tópico de literatura brasileira não pode faltar a referência a algumas versões de grandes poetas que começaram a falar em português à nossa sensibilidade”[ii]. Ele ressalta  a importância do surgimento de “numerosas traduções de poesia” na década de 1980, cujo significado, diz ele, é amplo e vai da “contínua internacionalização da cultura escrita […] à crescente profissionalização do ofício do tradutor que o mercado contemporâneo propicia”[iii]. No mesmo sentido, o Prof. Dr. John Milton (USP) avaliou que o número de trabalhos publicados é de tal forma considerável que “esta área [poesia traduzida] deveria ser seriamente considerada um gênero da literatura brasileira contemporânea”[iv].

A importância dos catálogos

Antony Pym, no livro Method in Translation History (1998), também reconhece que a escassez de catálogos atualizados de traduções é um fator que dificulta as pesquisas e a obtenção de dados, principalmente em países de pouca tradição bibliográfica, como é o caso do Brasil. Pym denomina como catálogos de tradução as listas de traduções dentro de um campo específico. Ele aconselha que os catálogos sejam elaborados da forma mais completa possível, de modo a permitir a busca de informações específicas. O grande desafio da elaboração de catálogos de tradução, diz Pym, é o de se conseguir trabalhar com fontes incompletas de forma a converter um catálogo em um corpus útil. Esse é também um desafio enfrentado pelo projeto Poesia Traduzida no Brasil.

O país possuiu alguns boletins bibliográficos de publicações gerais, porém os mesmos sofreram diversas interrupções ao longo da história. Por exemplo, o setor livreiro imprimiu regularmente uma bibliografia nacional a partir de 1952 – o Boletim Bibliográfico Brasileiro –, mas essa publicação foi interrompida em 1967. Também a Biblioteca Nacional imprimiu séries com lacunas temporais (de 1918 a 1921; 1931 a 1939; 1945 a 1949; 1951 a 1967; 1973 a1982). Já a pesquisa no site da Biblioteca Nacional, que deveria receber uma cópia de cada livro editado no Brasil e catalogá-lo, também não raro traz resultados incompletos. O Index Translationum da Unesco, banco de dados dedicado à tradução e no qual deveriam constar todas as traduções publicadas a partir de 1979, também apresenta lacunas e, infelizmente, foi descontinuado em 2009.

Metodologia

O catálogo bibliográfico que agora disponibilizamos neste site foi elaborado entre os anos de 2010 e 2012, durante pesquisa no Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução da Universidade de Santa Catarina, e revisado e ampliado entre 2015 e 2016. Os dados foram obtidos por meio de cruzamento de fontes primárias como: a) Biblioteca Nacional; b) Portal Estante Virtual (reúne os acervos de cerca de 1.300 sebos brasileiros); c) WorldCat (catálogo online gerido pelo Online Computer Library Center e considerado o maior de seu tipo no mundo[v]); c) Google Livros e Google Search; d) Banco de dados de livrarias brasileiras como a Cultura e a Saraiva; d) Catálogos online de editoras; e) Acervo Haroldo de Campos. As fontes secundárias foram estudos em forma de artigos, teses e dissertações, muitos dos quais estão listados no menu “Publicações” deste site.

Esperamos que este projeto seja útil para estudantes e  pesquisadores e desde já nos colocamos à disposição para receber colaborações.

Brasília, julho de 2016,

Marlova Aseff

Doutora em Estudos da Tradução e em Literatura

Bolsista do PNPD – Capes junto ao Póslit – UnB

 

 

[i] Ver “Poesia contemporânea: o lugar editorial”. In Poesia contemporânea: olhares e lugares. Brasília: UnB, Departamento de Teorias Literárias e Literaturas, 2011. pp. 47-53.

[ii] Ver BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira.  2006, p.489

[iii] IBIDEM, p. 490.

[iv] MILTON, 2004, p. 183.

[v] O Worldcat foi criado no ano 1971 e reúne registros de cerca de 71.000 bibliotecas públicas e privadas de todo mundo

eadmarlova1